Os Três Fios do Cordel do Destino

Enviado por Estante Virtual em dom, 01/22/2012 - 03:46

Para os gregos, havia três Fados que teciam o cordel da vida. Para aquele que conhece a Sabedoria, há também três Fados, cada um deles tecendo um fio, sendo os três fios que eles tecem retorcidos em um, formando a resistente corda do Destino, que prende ou solta a vida do homem sobre a Terra. Esses três Fados não são as mulheres, as Parcas, da lenda grega, e sim as três forças da Consciência humana: o Poder da Vontade, o Poder do Pensamento e o Poder da Ação. São esses os Fados que torcem os fios do destino humano, e eles estão dentro do homem, e não fora. O destino do homem é autoconstruído; não é imposto arbitrariamente do exterior; seus próprios poderes, encequecidos pela ignorância, torcem a corda que os entrava, e seus próprios poderes, dirigidos pelo conhecimento, liberam seus membros dos grilhões autocompostos e deixam-no livre da escravidão.

O mais importante desses três Poderes é o Poder de pensar; homem quer dizer pensador; é uma raiz sânscrita, e dela deriva-se o inglês man, idêntico à raiz sânscrita, o alemão Mann, o francês homme, o italiano uomo, o português homem, etc. O cordel do pensamento é tecido de qualidades morais e mentais, e essas qualidades formam, na sua totalidade, o que chamamos de caráter. Essa conexão de pensamento e caráter é reconhecida nas escrituras de todos os povos. Na Bíblia lemos: “Tal como o homem pensa, assim ele é.” Essa é a Lei geral. Mais particularmente: “O que olhar para uma mulher com lascívia já cometeu adultério com ela em seu coração.” Ou: “O que odeia a seu irmão é um assassino.” Dentro desse mesmo espírito, declara uma escritura hindu: “O homem é criado pelo pensamento; naquilo que um homem pensa, ele se torna.” Ou: “Um homem consiste em sua crença; o que ele crê ele é.” O rationale, nesses fatos, é que quando a mente está voltada para um pensamento específico e demora-se nele, instala-se uma vibração definida da matéria e, quanto maior for a frequência dessa vibração, mais ela tende a repetir-se, a se tornar um hábito, a se fazer automática. O corpo segue a mente e imita as suas mudanças; se concentramos nosso pensamento, os olhos tornam-se fixos, os músculos tensos; um esforço para recordar é acompanhado pelo franzir da testa; os olhos movem-se de cá para lá, quando procuramos recuperar uma expressão perdida; ansiedade, amor, cólera, impaciência, todos têm o seu acompanhamento apropriado. A sensação que dá a um homem a tendência de atirar-se de uma altura é a tendência do corpo que representa o pensamento da queda. O primeiro passo para a criação deliberada do caráter está, portanto, na escolha deliberada do que pensaremos, e então no pensar persistentemente na qualidade escolhida. Não se passará muito tempo para surgir uma tendência que mostre essa qualidade. Em pouco tempo esse exercício se tornará um hábito. Entreteçamos o fio do pensamento em nosso destino, e chegaremos a ter um caráter inclinado a todas as finalidades nobres e úteis. Aquilo em que pensamos é aquilo em que nos tornamos. O Pensamento faz o caráter.

O Poder da vontade é o segundo Fado, e tece um fio forte para o cordão do destino. Mostra-se como desejo, desejo de possuir, que é amor, atração, em inúmeras formas; desejo de repelir, que é ódio, repulsa, afastando o que nos é indesejável. Tão verdadeiramente como o ímã atrai e prende o ferro, nosso desejo atrai para nós o que desejamos possuir e manter como nosso. O forte desejo de fortuna e de sucesso traz essas coisas ao nosso alcance; o que desejamos ter, firme e persistentemente, teremos, mais cedo ou mais tarde. Fantasias fugidias, indeterminadas, mutáveis, têm uma força de atração muito fraca, mas o homem de vontade firme obtém o que deseja. Esse fio da vontade traz-nos os objetos do desejo e a oportunidade de obtê-los. A Vontade dá a oportunidade e atrai objetos.

O terceiro fio é tecido pelo Poder de agir, e esse é o fio que traz para o nosso destino a direção da felicidade ou do sofrimento. Conforme agimos em relação aos que nos rodeiam, eles reagem em relação a nós. O homem que espalha felicidade em torno de si, sente a felicidade fluindo sobre ele próprio. Aquele que torna os outros infelizes, sente a reação da infelicidade sobre ele próprio. Sorrisos produzem sorrisos, carrancas produzem carrancas; a pessoa irritada desperta irritação em outras. A Lei do tecido desse fio é: Nossas ações afetam os outros e causam reação de natureza semelhante em nós.

Esses são os fios que fazem o destino, porque fazem o caráter, a oportunidade e o ambiente; eles não são cortados de todo pela morte, mas estendem-se para as outras vidas. O fio do pensamento nos dá o caráter com que viemos ao mundo; o fio da vontade dá ou retira oportunidades, faz-nos “com sorte” ou “sem sorte”; o fio da ação dá-nos condições físicas favoráveis ou desfavoráveis. Do que estamos semeando, colheremos; do que estamos tecendo, assim será, no futuro, o cordão do destino. O Homem é o Criador do seu Futuro; o Homem é o Construtor do seu Destino; o Homem é o seu próprio Fado.