Os Raios Abstratos e da Forma

Enviado por Mauricio em sab, 03/05/2016 - 22:56
Os Raios Abstratos e da Forma

Continuando com o nosso estudo dos sete raios, hoje vamos falar sobre os raios abstratos e os raios relacionados à forma. Para quem ainda não leu os posts iniciais, vale a pena começar por eles:

- Introdução aos Sete Raios
- Os Raios do Aspecto e de Atributo

Para facilitar a referência, vejamos novamente a lista dos nomes associados aos raios antes de iniciar nossa análise:

Raio Cor Nome
1° Raio vermelho Poder e Vontade
2° Raio azul Amor e Sabedoria
3° Raio verde Atividade Inteligente
4° Raio amarelo Harmonia Através do Conflito
5° Raio índigo Ciência e Conhecimento Concreto
6° Raio rosa prateado Devoção e Idealismo
7° Raio violeta Ordem e Magia Cerimonial

 

Entre as diversas formas de classificar os raios, a separação entre raios "abstratos" (também chamados de "raios da linha suave") e "relacionados à forma" (conhecidos como "raios da linha dura") pode nos dar algumas idéias adicionais sobre o que eles representam, e definir algumas tônicas que simplificam o trabalho de absorver seus significados quando falamos deles individualmente.

 

Os Raios Abstratos

Os raios "abstratos" são o 2°, 4° e 6°. 

Devido a uma ressonância entre eles, o 4° e o 6° raio carregam a vibração do "Filho" (2° raio). E olhando para seus nomes, vemos que todos possuem uma forte conexão com nossa vida interior, sendo o 2° raio expressão do amor, o 4° expressão da beleza e harmonia e o 6° expressão devocional, de sacrifício. O segundo raio é magnético, e atrai para si formas, pessoas, idéias. O 4° raio equilibra pólos opostos, trazendo harmonia. E o 6° traz o idealismo, a devoção, a dedicação irrestrita a um objetivo. É possível notar um movimento entre eles de "trazer o foco para si" no segundo raio para "transferir o foco para o outro" no sexto, mas ainda assim eles compartilham algumas características gerais importantes.

Existe também uma relação entre esses raios e os planos astral e búdico (e nossos corpos de expressão nesses planos), fazendo com que eles se expressem de forma mais fácil, e mais "pura", nesses planos e veículos. É mais comum encontrar em uma pessoa o corpo astral sob a regência do 2° ou 6° raio do que o mental. Mas cuidado: todos os nossos corpos expressam energia de todos os raios em maior ou menor grau, e o 4° raio por exemplo pode ser encontrado mais facilmente regendo o corpo mental do que os demais corpos.

 

Os Raios da Forma

Já os raios raios da "linha dura" (1°, 3°, 5° e 7°) se mostram mais "incisivos", "diretos", graças em parte a vibração do 1° raio que define o tom dos demais. O 1° raio é direto, incisivo, objetivo, ativo. Ação é uma palavra importante para compreendê-lo. No post sobre os raios maiores mostramos a relação entre ele e o aspecto "Vontade" da divindidade. Já o 3° raio nos traz a adaptabilidade, a multiplicidade de formas, o funcionamento inteligente da natureza. A natureza é em si mesma um excelente símbolo para o 3° raio. O 5° raio nos remete à aplicação objetiva da inteligência (por isso a associação com a ciência), e o 7° está bastante voltado à construção da forma. Notem o quanto esses raios são "para fora", em oposição com os raios da linha suave, que são "para dentro".

Existe também uma coerência entre esses raios que pode ser visto nas suas inter-relações: o 3° raio, considerado um representante da mente abstrata, possui grande afinidade com o 5° raio, representando a mente concreta, assim como o 1° raio (poder e vontade divina) se relaciona com o 7°, o poder de manifestar e construir coisas no plano material.

Estes raios mostram uma relação mais forte com o corpo físico (7° plano), o veículo mental (5° plano), e o veículo átmico (3° plano), fazendo com que nas pessoas em que esses corpos são regidos por eles sua expressão seja mais intensa, com todas as vantagens e desafios que isso implica.

 

Nosso Sistema Solar

Para encerrar, vamos introduzir um outro assunto, importante por suas implicações. É a última peça que falta para construir o "panorama" básico sobre os sete raios, e começar a olhar para eles individualmente. 

No primeiro post dessa série, foi dito que a energia dos raios chega a nós através dos planetas sagrados de nosso sistema solar, e que ele qualifica essa energia. Mas qual o resultado prático disso?

Podemos fazer uma analogia para responder essa pergunta. Cada ser humano está sob a influência primária de um dos raios do aspecto. Esse é o raio de nossa mônada. E cada um de nossos outros corpos (físico, astral, mental, nossa alma) está sob a "regência" de um dos sete raios, o que define a "tônica" daquele corpo em particular. Mais a frente vamos estudar como podemos investigar quais são essas regências.

Nosso sistema solar também está sob a influência primária de um dos raios do aspecto. Vejam as citações a seguir:

"Para o primeiro sistema solar o terceiro raio foi o raio sintético, mas para este sistema solar o raio sintético é o segundo..." EP I 88

"No primeiro sistema solar, o centro que é a Humanidade foi preparado, e o princípio da inteligência se manifestou. No segundo sistema solar, a Hierarquia do amor fez sua aparição e deve eventualmente se manifestar completamente no plano físico, permitindo portanto que o Amor Divino seja visto." DN 23-24

"O segundo raio (...) é o maior raio de nosso sistema solar (do qual todos os outros seis raios são apenas aspectos)" EP I 349

Todos os demais raios são, neste sistema solar, sub-raios do "Amor e Sabedoria". Isso significa que "Amor" é a qualidade primária em desenvolvimento neste ciclo evolutivo, e que essa característica permeia absolutamente tudo que se expressa neste sistema. Independente de qual raio esteja "regendo" um determinado corpo de expressão ou se manifestando em um caso particular qualquer, temos que ter claro em nossa mente que ele é um sub-raio do Amor e Sabedoria, sendo em essência apenas uma forma de expressão desse raio cósmico. 

Isso é quase poético! Podemos dizer que o Amor é a energia fundamental da qual somos constituídos. E não é isso que em essência todas as religiões e doutrinas tentam transmitir, salvo alguns desvios aqui e ali cuja responsabilidade cabe às pessoas que conduzem essas religiões?

Mas vou resistir à tentação de simplesmente jogar mais informação "fora de ordem" aqui! Por hora, pensem em como essa energia de "Amor e Sabedoria" influencia a expressão dos demais raios. Se vocês desconhecem a definição individual deles, tratem isso como uma vantagem e deixem a imaginação fluir. Esse exercício certamente vai se mostrar proveitoso.

E no próximo post começamos nossa análise dos raios individualmente! Fique atento às atualizações, e nos vemos no post sobre o raio do Poder e Vontade!